18 de janeiro, 2016

Ar-Busto

image

Compartilhe este texto
0 Comentários
14 de janeiro, 2016

Há risos e risos

image

Compartilhe este texto
0 Comentários
13 de janeiro, 2016

Tragédia é a Timidez

image
A mim, a timidez é uma grande tragédia. Tive e tenho incontáveis prejuízos por conta do acanhamento que algema meus desejos.
É devido a essa debilidade que sou chamado de frio, insensível, inconstante, gélido, egoísta, coração de pedra, incompreensível.
Quando ouço o famoso “Poxa! Por que você nunca me disse isso?”, simplesmente respondo que não tenho tamanha habilidade e recebo a irônica e incompleta risada.
Pelo amor das coisas mais sagradas, mulher, um homem tímido tem muitas vontades, é talvez mais intenso, tem enorme vontade de ser romântico, mas está lá com o coração atado por uma nata característica. Lamentável.
Num dia desses mesmo, comecei a ler uma espécie Manual de Conquista que afirmava ser fácil a extinção da timidez, do acanhamento. Bastava fazer alguns exercícios? Sabe algo como Aprenda a Ser Feliz em Cem Lições ou Saiba como Atingir Seus Objetivos? Não acredito nisso!
Entre o tímido e o desacanhado, há a diferença entre o afinado e o desafinado. Há a diferença entre o atleta e o sedentário; entre o caridoso e o não solidário; entre o destro e o canhoto.
Sou como o contrabaixista no fundo do pub. Semiquieto, mas aficionado na canção. Com a latente vontade de liderar um solo de quinze minutos, pedir aplausos e gritos, mas não… A latência é nata. Latência, palavra escondida até no dicionário: período de inatividade entre um estímulo e a resposta por ele provocada. Psicologicamente, corresponde à presença de elementos psíquicos esquecidos na esfera subliminar da consciência, donde podem ressurgir.
Acanhado como figurante da peça teatral, silencioso como cinegrafista, anotador do fundo de sala de aula, quarto árbitro de uma partida de futebol, caixa de agência lotérica, mensageiro de hotel, segurança do piano-bar, porteiro em feriado santo, terceiro-comissário, soldado britânico, ghost-writer.
Em frente à minha musa, rainha dos meus platonismos, quereria ser camisa 10, ator principal, presidente de empresa, palestrante sorrindo, médico de entrevista coletiva, professor instigante, locutor de FM, escritor premiado, apresentador de talk-show, passista-destaque, comandante da aeronave.
Entrar mudo, sair calado, a coreografia não vista, dolorida, que só os tímidos sabem executar.

DIOGO ARRAIS – @mesmapoesia

Compartilhe este texto
1 Comentário