04 de janeiro, 2017

Etiqueta e Alívio

3-pose

Ao telefonar a um amigo, o maior alívio que sentimos é a audição alheia. Ser ouvido basta, porque quem não pode se abrir explode. Daí, serão cacos de si lançados vento afora.
Mal a ligação é iniciada, a história já nem introdução tem. Os adjetivos condenatórios a quem nos lesou (ou mesmo quem nos machucou) são lançados sem dó algum. A malfalada frase “O mundo está do avesso!”, os risos em concordância do outro lado da linha, um “deixa disso!, mas você tem razão!”, voz desafinada reclamando e um convite para um café em tom de desabafo – é sempre tudo possível com um amigo.
O ser de nossa mais abissal intimidade não se satisfará com uma mensagem curta de Whatsapp. Ao menor sinal de problema, ele telefonará ou pedirá a ligação o mais rápido possível. Atenderá com um bom riso, pedindo logo que você esqueça o passado. Comunicação assim é como a de um filósofo socorrista: “Meu amigo, projetar futuro, estando preso ao passado, é não ter presente!”.
Por mais que vejamos tanta gente perfeita em nosso dia a dia, com carros de luxo, sorrisos com dentadura de celebridade, fotografias editadas na redação da Vogue e legendas bíblicas, temos muitos problemas. E a regra número um de hoje em dia é jamais citar publicamente um problema, com a consequência de arruinar o que de bom fizemos.
Num mundo em que todos dependem da imagem (e a câmera tornou-se o objeto mais poderoso do mundo), é bom estar ciente da encenação. Contudo,  “gordura”, “magreza” e “desapontamentos” são inevitáveis. Erraremos ainda mais e mais. Não publicaremos isso, mas o conforto virá daquela alma amiga, que compreenderá nosso “eu” em imperfeição.

DiogoArrais – youtube.com/mesmapoesia

Compartilhe este texto
0 Comentários
03 de janeiro, 2017

Tique-Taque

missing-time

O tique-taque nunca teve preguiça
Um relógio pifa, mas há outro funcionando perto dali
Tiquetaquear independe de pilhas
Porquanto há um sol e estrelas que giram sem parar
O tempo nunca dormiu
Não tem expressões
Não tem pena
Não tem cor
Tampouco herdeiros
Dirão os mais sábios que assim seja
Que o passar dos anos
Não tenha forma alguma
Que seja frio
Justo para quem é justo
Injusto para quem não é
Não se espera amor do tempo
Apenas tempo
Mesmo isso sendo abstrato demais
Não há um homem sequer
Que traspasse o que o calendário é

DiogoArrais

Compartilhe este texto
0 Comentários