27 de novembro, 2015

FILOSOFIA DE PÁSSARO

image

Se um dia tiver um amor verdadeiro, não o quero em prisão. Relação enjaulada é posse maldita; sentimento alheio não é “propriedade”. Corações são como pássaros: nasceram para voar.
Os crentes na propriedade alheia temem o “descumprimento” das leis. Na gaiola, o tédio e a vontade da transgressão serão maiores. Na gaiola, um pássaro pode morrer de solidão. Talvez depressão.
Os crentes na propriedade alheia temem traição. Simples: não admire pássaros – adquira um suvenir e nem sede ele sentirá. Não sentirá vontade, não pedirá nada, não mudará de cor, estará sempre lá quieto. Não esboçará reação.
Os aprisionadores pensam pelo outro. Bonito gesto, em partes. Não se dá alpiste ao pássaro que quer vinho. O ato de oferecimento é como o convite, ou seja, pode ser declinado.
Por que os aprisionadores não conseguem ficar presos?
Porque se sentir preso é cruel, triste, retentor de talentos. Sentir-se preso é uma torturante forma de desconfigurar uma alma, um corpo, uma história. Sentir-se preso é adolescer, estando adulto e maduro.
Quem ama, de fato, não teme. Quem ama entende que alguns seres morrerão tendo passado por inúmeras relações. Quem ama entende que outros seres morrerão tendo pouquíssimas relações. É aquela máxima de que o mundo se constrói nas diferenças.
O gostar de si é sentir-se pássaro, preparado para pousar no ninho que mais lhe convier. Para depois voar. Voltar ou não. Gostar de si é ir para o norte ou sul, sempre que lhe der “nas asas”.
Ademais, na história deste mundo, não há ser (satisfeito consigo) que tenha ficado só. O ser feliz, verdadeiro, claro em suas condutas, é – pois – admirado pelos voos e pelo bando.
Voar em grupo: meu desejo de pássaro!
Pássaros de fato são a sonoplastia da felicidade. Voam porque sabem amar.

DIOGO ARRAIS
@mesmapoesia

Compartilhe este texto
Escreva seu comentário

* Preenchimento obrigatório. Seu email não será divulgado.
Quer que sua foto apareça no comentário? Clique aqui.
Comente pelo Facebook
2 Comentários
  1. Isabel Cristina Souza  07/09/2016 - 16h02

    Um texto lindo que provoca reflexão. Amei!
    Sou apaixonada pelos seus textos e pela sua poesia…

    • Diogo Arrais  13/09/2016 - 17h57

      Obrigado pelo imenso carinho! Divulgue nosso blog do amor! Beijo